segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Arroz com Mix de Quinoa

Nem posso dizer que hoje tem receita, o que tem é uma sugestão para inserir a quinoa de maneira simples e prática na nossa alimentação.
A quinoa é um grão muito rico, conhecida como "grão de ouro", é um alimento muito nutritivo e considerado o mais completo do reino vegetal.
Cozinhar o grão junto com o arroz, deixa esse prato do dia a dia, mais saudável e apetitoso. Os grãos não tem nenhum sabor específico, mas ficam crocantes e visualmente graciosos.
Usei um mix de quinoa branca, preta e vermelha, a proporção fica a teu critério, para uma xícara de arroz, adicionei 1/4 de xícara de quinoa. Refoguei junto com o arroz e usei a quantidade de água de sempre.
Aqui em casa gostamos muito do resultado e já preparei mais de uma vez. 
Experimente!!


Excelente semana a todos!!

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Pão Multigrãos com Fermentação Natural

Cada nova receita de pão com fermentação natural que preparo, resulta no meu novo preferido, acho que viciei mesmo! ;D
Esse é maravilhoso, casca crocante recoberta com sementes e miolo macio cheio de grãos saudáveis e saborosos, uma maravilha para os olhos e o paladar.
As proporções que passo aqui podem ser alteradas para mais ou para menos, sempre respeitando uma margem de porcentagem entre os ingredientes para que a receita funcione. Em breve farei uma postagem falando melhor sobre isso.

Pão multigrãos

- 250g de farinha de trigo
- 75g de farinha de trigo integral
- 50g de farinha manitoba (farinha com alto teor proteico, mais forte), se não encontrar, aumente as quantidades das farinhas acima até completar o total de 375g
- 235g de água ligeiramente morna
- 190g de fermento natural (levain)
15g de açúcar demerara
- 8g de sal
- 40g de sementes tostadas, usei linhaça dourada, gergelim branco e preto e chia 
- cerca de 1 xícara de sementes variadas para cobrir o pão, opcional

Preparo:
Misture as farinhas e a água até formar uma massa uniforme. Reserve por 2h na geladeira (autólise).
Adicione o fermento e o açúcar e sove bem. Usei a máquina de pão para sovar, cerca de 15 minutos. Junte o sal e os grãos (tostados e frios) e sove por mais 2-3 minutos.
Passe a massa para uma tigela untada com azeite de oliva e deixe descansar por 30 minutos.
Depois desse tempo inicie as dobras (dobrar a massa sobre ela mesma cerca de 4x), deixe descansar novamente por 30 minutos. Repita esse processo mais 3 vezes, com intervalos de 30 minutos, totalizando 2h.
Modele a massa*, coloque-a no cesto de fermentação e deixe cerca de 2h em temperatura ambiente (TA).
Leve à geladeira de um dia para o outro. Retire, confira o crescimento e se necessário deixe fermentar em TA até que tenha crescido 2/3 do tamanho inicial.
Aqueça o forno a 250ºC por 30 minutos com a panela tampada dentro. Transfira a massa para a panela, faça um corte na superfpicie da massa, tampe e asse por cerca de 20 minutos. Retire a tampa, reduza a temperatura para 230ºC e asse por mais 20 minutos, baixe novamente para 180ºC e deixe até a cor desejada.

*Para fixar os grãos no pão, borrife levemente sua superfície e role-o sobre uma mistura de grãos de sua preferência. Eu misturo os grãos numa travessa rasa e viro o pão sobre ela, depois coloco no cesto com os grãos virados para baixo, o peso da massa fará o resto.

A foto inicial é de um pão oval, esse é um redondo, mesma receita, formatos diferentes, ambos deliciosos!

Excelente semana a todos!!

terça-feira, 31 de julho de 2018

Bolo de Capim Cidreira

Simplicidade e gostosura na mesma forma, esse bolo é tudo de bom! Extremamente macio, sabor suave do capim cidreira e super fácil de fazer!
Se você gosta de capim cidreira, capim santo ou capim limão como também é conhecido, vai amar essa receita, experimente só pra ver.
Ahh...e o bolo fica verdinho, tirei a foto na bancada com sol e ele parece amarelinho, sqn!

Bolo de capim cidreira
(ligeiramente adaptado daqui)

- 250 ml de leite, usei 200ml de leite e 50ml de iogurte natural
- 15 a 20 folhas frescas de capim cidreira, aproximadamente
- 3 ovos
- 2 xícaras de açúcar, usei 1 e 1/2 xícaras
- 1/2 xícara de óleo
- 2 xícaras de farinha de trigo
- 1 colher (sopa) de fermento em pó
- açúcar de confeiteiro para polvilhar, opcional

Preparo:
Unte e enfarinhe uma forma de furo central. Reserve. Preaqueça o forno a 180ºC.
No liquidificador bata o leite com as folhas de capim cidreira (anteriormente higienizadas).
Coe a mistura e volte o leite para o liquidificador. Junte os ovos e bata bem. Coloque o restante dos ingredientes, menos o fermento e bata novamente até ficar homogêneo.
Adicione o fermento e bata ligeiramente ou se preferir, apenas misture.
Despeje na forma preparada e leve assar por 35-40 minutos ou até o teste do palito sair limpo.
Deixe esfriar e polvilhe com açúcar de confeiteiro.


Ótima semana!

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Pão Doce de Fermentação Natural com Ricota, Limão Siciliano e Geleia de Frutas Vermelhas


Tem dias (geralmente aos sábados) que fico bem animada na cozinha, passo o dia todo entre farinhas e receitas...uma delícia de terapia...principalmente se tem final feliz! ;D
Num desses dias, entre outras fornadas, saiu um pão doce de fermentação natural, recheado com ricota, limão siciliano e uma geleia caseira de frutas vermelhas. Para finalizar uma nuvem de açúcar de confeiteiro. A receita adaptei de outra já mostrada aqui.

Pão doce com ricota, limão siciliano e geleia de frutas vermelhas

- 250g de farinha de trigo
- 1/2 xícara de leite
- 2 colheres (sopa) de açúcar
- 1 ovo
- 1/2 colher (chá) de sal
- 1/2 colher (sopa) de manteiga
- 75g de fermento natural (levain) ou 1 e 1/2 tabletes de fermento biológico fresco
-1 gema para pincelar
-açúcar de confeiteiro para polvilhar

Para o recheio: 

- 120g de ricota esfarelada
- 1/8 xícara de açúcar refinado
- suco de 1/2 limão siciliano
- raspas da casca de 1 limão siciliano
Amasse tudo muito bem, até formar uma pastinha

Preparo:

Misture todos os ingredientes, sove a massa até que fique homogênea, usei a mfp.
Deixe crescer até dobrar de volume. Como usei fermento natural, deixei a massa fermentando de um dia para o outro. Depois de crescida, abaixe a massa com os punhos, abra-a com ajuda de um rolo, espalhe a geleia de frutas vermelhas (ou de sua preferência) e por cima distribua a pasta de ricota.
Enrole como rocanbole, junte as extremidades, formando uma rosca grande, pincele com a gema e deixe descansar por 15 minutos, com o levain, deixei por 1h.
Leve para assar em forno preaquecido a 200ºC por aproximadamente 30 minutos ou até dourar.
Aguarde esfriar e polvilhe com o açúcar de confeiteiro.

Ótimo final de semana a todos!!

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Risoto de Abobrinha com Ricota, Nozes e Hortelã

Muito bem-vindo, risoto está entre meus pratos preferidos, fácil, eclético e sempre saboroso!Adoro!!
Essa sugestão é mais uma da Rita Lobo, sou fã de carteirinha e gosto de tudo que ela apresenta, então vamos a receitinha que não tem segredo nenhum, além da clássica e deliciosa combinação de ingredientes.

Risoto de abobrinha com ricota, nozes e hortelã

- 2 xícaras de arroz para risoto
- 2 abobrinhas
- 1 cebola pequena
- 1,5l de caldo de legumes caseiro
- 1/2 xícara de vinho branco
- 2 xícaras de ricota esfarelada (cerca de 300g)
- 1/2 xícara de nozes tostadas e picadas grosseiramente
- ramos de hortelã
- sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
- azeite qt baste
- 1 colher (sopa) de manteiga

Preparo:
Higienize as abobrinhas, corte-as ao meio no sentido do comprimento e as metades em meias-luas.
Lave e seque as folhas de hortelã. Reserve.
Leve uma frigideira ao fogo médio, coloque cerca de 1/2 colher (sopa) de azeite e junte metade das abobrinhas, tempere com sal e pimenta, deixando-as dourar dos dois lados.
Transfira para uma tigela e repita o procedimento com o restante das abobrinhas, adicionando mais azeite, se necessário. Reserve.
Numa panela, leve o caldo ao fogo médio e mantenha-o aquecido.
Leve uma panela média ao fogo, regue com 1 colher (sopa) de azeite, junte a cebola picada, tempere com sal e refogue até murchar. Adicione o arroz e misture bem para envolver todos os grãos no azeite.
Tempere com sal e pimenta-do-reino. Regue com o vinho e mexa até secar.
Adicione cerca de 2 xícaras do caldo e misture bem. Deixe cozinhar, mexendo de vez em quando para não grudar. Repita o procedimento, adicionando mais caldo toda vez que o anterior secar.
Acrescente metade das abobrinhas grelhadas e junte o caldo restante até que o risoto fique al dente, ou seja, cozido, mas ainda durinho no centro.
O risoto deve ficar bem úmido, por isso não deixe secar totalmente na última adição de caldo.
Desligue o fogo, misture a manteiga, metade da ricota e metade das folhas de hortelã.
Sirva porções guarnecidas com o restante das abobrinhas, uma colherada de ricota, nozes picadas e folhas de hortelã.


Uma excelente semana a todos!!

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Quatre-Quarts Au Chocolat

Quatre-quarts é um bolo clássico francês, significa quatro quartos, que leva quatro ingredientes todos na mesma proporção e cada qual representa um quarto da receita.
Reduzi a receita para adaptá-la à quantidade de chocolate disponível em casa, você escolhe como fazer. O uso de chocolate em barra deixa o sabor e a textura especiais!

Quatre-quarts au chocolat
(do livro Gâteaux de maman)

- 200g de chocolate, usei 120g de chocolate meio-amargo
- 200g de manteiga sem sal, usei 120g
- 200g de farinha de trigo, usei 120g
- 200g de açúcar refinado ou de confeiteiro, usei 120g
- 4 ovos, usei 3
- 2 colheres (café) de fermento químico em pó
- 1/2 colher (café) de extrato de baunilha
- 1 pitada de sal

Preparo:
Unte e enfarinhe uma forma de bolo inglês, forrei parcialmente com papel manteiga.
Preaqueça o forno a 180ºC.
Derreta o chocolate com a manteiga no microondas ou banho-maria, reserve. Numa tigela, misture a farinha e o fermento. Em outra tigela, bata os ovos com o açúcar e o extrato de baunilha, agregue a mistura de chocolate e manteiga e mexa bem.
Junte essa mistura de chocolate e ovos com a de farinha e fermento e misture para homogeneizar.
Despeje na forma preparada e leve ao forno por 30-35 minutos aproximadamente ou até o teste do palito sair limpo.


Excelente semana a todos!!

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Pão Sovado com Fermento Natural



Essa receita de pão sovado, rende um pão extremamente macio, a prova de que com fermento natural podemos fazer qualquer tipo de pão, do rústico e cascudo ao tradicional e macio.


Pão Sovado
(adaptada dos arquivos do grupo Levain, receita Aline G.)

- 4 colheres (sopa) de açúcar
- 1/2 colher (sopa) de sal
- 1 colher (sopa) manteiga
- 100ml de leite morno
- 100ml de água
- 3 e 1/2 a 4 xícaras de farinha de trigo aproximadamente
- 200g de fermento natural (levain)
- 1 ovo

Preparo:

Usei mfp para sovar. Coloque a farinha aos poucos, tanto se fizer na máquina ou à mão.
Deixe crescer por 2 horas. Abra com ajuda de um rolo, modele os rolinhos.
Coloque na forma ligeiramente untada e deixe fermentar novamente até que dobre de volume.
Pode levar de 4 a 8h para crescer.
Preaqueça o forno a 200ºC. Asse por 40-45 minutos ou até que doure bem.
Assim que sairem do forno, pincele-os com manteiga (última foto).

Rendeu um pão de forma grande e mais um pão pequeno.





Ótimo final de semana a todos!!

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Scones de Laranja, Cranberry e Cereja

Bolinhos oriundos do Reino Unido, os scones são como pães rápidos ou quick bread (que não utilizam fermento biológico). São práticos e deliciosos, preparados em porções individuais e levemente adoçados, combinam perfeitamente com uma xícara de chá ou café.

Scones de laranja, cranberry e cereja
(ligeiramente adaptados daqui)

- 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
- 1/8 xícara de farinha de trigo para polvilhar as frutas secas, não usei
- 1/4 xícara de açúcar
- 1 colher (sopa) de fermento em pó
- 1 pitada de sal
- 1/2 colher (sopa) de raspas de laranja, usei raspas de 1 laranja
- 170g de manteiga gelada, usei 160g
- 1 ovo extragrande
- 1/2 xícara de creme de leite, usei creme de leite fresco
- 1/2 xícara de cranberries secas, juntei + 1/4 xícara de cerejas desidratadas
- 1 ovo batido com 1 colher (sopa) água para pincelar
- 1/4 xícara açúcar de confeiteiro + 2 colheres (chá) de suco de laranja para confeitar

Preparo:

Numa tigela misture a farinha, o açúcar, o fermento, o sal e as raspas de laranja, friccione entre as palmas das mãos para que as raspas liberem seu sabor e aroma.
Acrescente a manteiga gelada cortada em cubinhos, continue misturando com as mãos desmanchando ligeiramente a manteiga. Adicione o ovo e a manteiga (aqui aconteceu algo interessante, esse ovo não constava na receita quando a preparei, algo que até então tinha passado despercebido à Gina, que repassando a receita, corrigiu prontamente...resumindo, eu não usei o ovo e o resultado foi ótimo, deixo a critério de vocês, usá-lo ou não).
Adicione as cranberries e as cerejas, misture distribuindo bem as frutas, forme uma bola com a massa.
Coloque em uma superfície enfarinhada, abra a massa com as mãos (se preferir use um rolo) até espessura de 2cm. Corte os bolinhos com um cortador enfarinhado (usei retangular) e distribua-os sobre uma assadeira forrada com papel manteiga.
Bata o ovo com a água e pincele bem os bolinhos. Leve assar em forno preaquecido a 180ºC por 25-30 minutos ou até dourar ligeiramente.
Deixe esfriar sobre uma grade. Depois de totalmente frios, misture o açúcar de confeiteiro com o suco de laranja e confeite a superfície dos scones.

Rend. 12 unidades


Excelente semana a todos!!

terça-feira, 3 de julho de 2018

Pão de Abóbora Cabotiá e Mel com Fermentação Natural

Coisa linda de viver esses pães rústicos de fermentação natural, estou apaixonada, a aparência, a crocância da casca, a textura do miolo, o aroma e o sabor me encantam completamente!
E essa receita em especial leva meu ingrediente favorito...abóbora!
Não deixe de experimentar essa sugestão, você vai amar. ;D

Pão de abóbora cabotiá e mel com fermentação natural
(ligeiramente adaptada do grupo Levain- Aline Galle)

- 350g de farinha de trigo, aproximadamente (comece com 300g)
- 120g de farinha manitoba*
- 280g de água gelada
- 180g de abóbora cabotiá assada e amassada
- 120g de fermento natural (levain)
- 40g de mel
- 8g de sal

Preparo:
Misture as farinhas com a água e deixe na geladeira por 2h, isso se chama autólise.
Após esse período, adicione o fermento, a abóbora e o mel e sove por aproximadamente 15 minutos ou até atingir o ponto de véu. Junte o sal e sove por mais 2 minutos. Usei a mfp para sovar.
Deixe a massa descansar por 30 minutos. Depois desse tempo faça uma série de quatro dobras na massa, levando as bordas para o centro. Repita esse processo 4x, com intervalos de 30 minutos, totalizando 2h.
Após a última série de dobras, deixe descansar por 30 minutos. Modele e coloque no cesto de fermentação. Leve à geladeira por 8h. Retire e observe o crescimento da massa, se creceu 1/3 do seu tamanho inicial, pode ir ao forno, caso contrário, deixe em temperatura ambiente (TA) até que complete a fermentação.
Aqueça o forno a 250ºC com a panela tampada dentro (uso panela de ferro). Retire o pão do cesto, faça cortes na superfície (use a referência que preferir), coloque na panela forrada com papel antiaderente (uso Dover) ou polvilhada com fubá, tampe para gerar vapor e leve ao forno. Após 30 minutos retire a tampa da panela, baixe a temperatura para 200ºC e asse por mais 20-30 minutos ou até atingir a cor desejada.

* Originário do Canadá, o trigo utilizado na farinha manitoba possui alto teor de glúten, resultando em uma farinha com mais força e resistência, ideal para processos de panificação de longa fermentação.  

O sabor da abóbora não fica perceptível, já o mel aparece de forma sutil e agradável e a cor, ahh, a cor é maravilhosa!  




Excelente semana a todos!!

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Bolo de Ricota e Chocolate

Eu gosto de bolos...gosto de fazê-los, de comê-los, compartilhá-los e até de olhar para eles, mistura simples de ingredientes que ao calor se transforma e desenforma assim...lindo e saboroso!
Esse é de ricota, cheio de pedacinhos de chocolate e algumas passas perdidas (amo!), mas é opcional, faça como preferir.

Bolo de ricota e chocolate
(adaptado daqui)

- 300g de farinha de trigo, reduzi para 250g
- 300g de ricota
- 3 ovos
- 225g de açúcar, reduzi para 150g
- 125g de manteiga, reduzi para 105g
- 1 colher (sopa) de fermento em pó
- 1 colher (chá) de essência de baunilha
- cerca de 1/4 xícara de leite, acrescentado se necessário, caso a massa fique muito grossa.
- 125g de gotas de chocolate, usei 110g de chocolate meio-amargo em barra picado
- 1/4 xícara de uvas-passas, opcional

Preparo:
Preaqueça o forno a 180ºC. Unte e enfarinhe uma forma redonda de 22cm. Se preferir, forre o fundo com papel manteiga.
Misture a ricota com o açúcar e a baunilha e bata com batedor (usei a batedeira) até ficar um creme homogêneo. Acrescente os ovos um a um, mexendo bem para incorporá-los. Aos poucos, misture a manteiga derretida e por último a farinha e o fermento. Caso a massa fique muito grossa, a receita original recomenda colocar um pouco de leite, eu adicionei 1/4 de xícara, mesmo tendo inicialmente reduzido a quantidade de farinha.
Agregue o chocolate picado e as passas (se for usar) e misture delicadamente para incorporar. Asse por aproximadamente 35-40 minutos ou até o teste do palito sair limpo.
Polvilhe com açúcar de confeiteiro para servir, opcional.


Excelente final de semana a todos!!

sábado, 23 de junho de 2018

Pasta e Fagioli com Abobrinha...versão Rita Lobo


Assisti o Cozinha Prática com a maravilhosa Rita Lobo na sexta-feira e já sabia qual seria meu almoço no sábado! Ela apresentou duas opções deliciosas, essa que vos apresento e uma abobrinha recheada que também quero experimentar em breve. 
Eu nunca pensaria nessa combinação, feijão, abobrinha e macarrão, mas confesso que adorei, o preparo é simples, relativamente rápido e muito saboroso.

Pasta e fagioli com abobrinha

- 1 1/2 xícaras de feijão-branco cozido (1 lata), usei cozido em casa
- 1 xícara de farfalle
- 1 abobrinha
- 1 dente de alho
- sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
- azeite a gosto
- salsinha picada e lascas de queijo parmesão a gosto para servir

Preparo:
Escorra a água do feijão (se for usar em lata, eu cozinhei o meu al dente e escorri).
Lave e seque a abobrinha e com o fatiador de legumes, corte-a em fatias finas no sentido do comprimento até chegar a metade do legume. Corte o restante em cubos medios.
Cozinhe o macarrão em água fervente com sal, até ficar al dente (reserve 1/2 xícara da água do cozimento).
Leve uma frigideira ao fogo, assim que aquecer, coloque um fio de azeite e disponha as fatias de abobrinha, uma ao lado da outra, sem sobrepor. Deixe dourar bem dos dois lados, transfira para um prato e reserve.
Mantenha a frigideira no fogo médio e regue com mais um fio de azeite, acrescente os cubos de abobrinha, tempere com sal e pimenta e refogue por dois minutos, até dourar. Junte o alho picado e mexa por 1 minuto para perfumar. Adicione metade dos grãos de feijão, o macarrão já escorrido e misture 1/4 de xícara (chá) da água do cozimento do macarrão, desligue o fogo e reserve.
No processador de alimentos, bata a outra metade dos grãos de feijão com 1/2 colher (sopa) de azeite e o restante da água do cozimento reservada até formar um molho fluido (deixei o meu um pouco mais espesso). Tempere com sal e pimenta a gosto.
Monte o prato colocando parte do molho de feijão no fundo, disponha o macarrão em cima, cubra com fatias de abobrinha grelhadas e salpique a salsinha.
Regue com azeite e sirva com lascas de parmesão.

Delicie-se!

Excelente dias a todos!!

sábado, 16 de junho de 2018

Cuca com Geleia de Frutas Vermelhas

As coisas tem andado meio devagar aqui no blog, mas tenho lá minhas desculpas...tem feito muito frio por aqui, pelo menos pra mim, que prefiro de longe dias mais quentes e ensolarados.
O forno ligado aquece a cozinha, mais todo o preparo anterior se torna mais difícil, sem falar na louça pra lavar...e ainda tem aqueles períodos de desânimo, quero experimentar, mas não quero cozinhar.
Foi assim com essa cuca, eu queria muito provar uma receita nesse estilo, tipo pão e não com fermento químico. Algumas coisas deram certo, outras não, o preparo não estava indo muito bem, baixas temperaturas, crescimento lento da massa, gás acababndo no início da assamento...aff. E ficou claro que errei a mão na hora de fazer a farofa, enfim, tem dias que nada ajuda.
O resultado é esse da foto, uma bela cuca até, não exatamente do jeito que eu queria, quero repetir a receita num dia mais favorável 😐, visto que a fonte é excelente, da fabulosa Neide Rigo.
Fiz apenas meia receita abaixo e rendeu uma cuca enorme.

Cuca com geleia de frutas vermelhas

- 30g de fermento biológico fresco, usei 6g  do seco para meia receita
- 2 ovos
- 250g de açúcar
- 12g de sal
- 750ml de leite (ou metade leite, metade água)
- 100g de manteiga sem sal em temperatura ambiente
- 1 colher (sopa) de suco de limão
- raspas de 1 limão tahiti
- 1.250g de farinha de trigo

Para a farofa:
- 1 xícara de farinha de trigo
- 1 xícara de açúcar
- 100g de manteiga derretida
- 1,5k de uvas escuras, lavadas e secas - usei geleia de frutas vermelhas caseira

Preparo:
Numa tigela dissolva o fermento com o açúcar e o sal no leite. Acrescente a manteiga, os ovos e o suco de limão. Junte a farinha aos poucos, mexendo com uma colher, depois passe a misturar com as mãos enfarinhadas. Coloque as raspas do limão e o restante da farinha até obter uma massa homogênea e muito macia. A textura da massa não deve ser firme como pão, nem mole como bolo, nem precisa sovar demais. Deixe descansar até dobrar de volume.
Prepare a farofa: Misture com as mãos os três ingredientes até formar uma farofa úmida.
Unte e enfarinhe uma forma retangular, espalhe a massa ocupando todo o fundo da forma. Cubra com o recheio escolhido e espalhe a farofa por cima.
Deixe crescer até dobrar de volume. Asse em forno preaquecido a 200ºC por aproximadamente 1 hora ou até que a farofa doure.



Excelente final de semana a todos!

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Pão de Tomate e Alecrim com Fermento Natural


Esse é um pão muito aromático, o alecrim espalha seu perfume durante todo processo e se mantém mesmo nos dias seguintes. A cor poderia ter ficado mais intensa, talvez por ter feito apenas meia receita, a quantidade de polpa foi menor e não marcou o pão como eu gostaria. Algo a se adequar numa próxima oportunidade.

Pão de tomate e alecrim
(Pães - Emmanuel Hadjiandreou)

- 400g de farinha de trigo branca
- 10g de sal
- 4g de alecrim fresco picado, usei seco
- 6g de cominho-preto, não usei, substituí por chia
- 40g de purê (ou polpa) de tomate
- 200ml de água morna
- 300g de fermento natural
- 2 colheres (chá) de azeite
Preparo:
Misture a farinha, o sal e o alecrim em uma tigela, essa é a mistura seca.
Em uma tigela grande misture a água e o purê de tomate até uniformizar.
Acrescente o fermento natural e misture. Junte o azeite e mexa bem.
Adicione a mistura seca à líquida e misture até dar liga. Cubra e deixe descansar por 10 minutos.
Sove a massa fazendo dobras, com a massa na tigela, puxe uma porção de massa da lateral e pressione-a no centro. Gire um pouco a tigela e repita o processo. Repita por mais 8 vezes.
Cubra e deixe descansar por 10 minutos. Repita as dobras por mais duas vezes com descanso de 10 minutos entre cada rodada de dobras. Depois de ter feito quatro vezes o passo das dobras, cubra a massa e deixe-a descansar por 1 hora.
Enfarinhe uma superfície de trabalho e modele um pão alongado, coloque-o na cesta (polvilhada com farinha de arroz) para fermentação e deixe descansar até quase dobrar de tamanho - de 3 a 6 horas, o meu precisou de 8h.
Preaqueça o forno por 20 minutos a 250ºC. 
Coloque uma assadeira na parte inferior para aquecer junto. Passe o pão para uma pedra de assar ou uma assadeira baixa, faça um corte na superfície do pão e leve-o ao forno.*
Despeje água na assadeira quente que estava no fundo do forno para gerar vapor e diminua a temperatura para 240ºC.
Asse por 30 minutos ou até dourar bem.
Deixe esfriar sobre uma grade antes de cortar. Pela parte cortada é possível observar que não esperei o suficiente, cortei ainda quente, rs
*Assei meu pão num saco de assar carne, eles suportam bem a temperatura e vem com um lacre para fechamento que não permite a saída do vapor, deixando o pão com a casca crocante. Nesse caso dispense a assadeira com água.
Fiz meia receita acima e rendeu um pão médio.


Excelente final de semana a todos!!

terça-feira, 5 de junho de 2018

Risi e Bisi...arroz e ervilha

Risi e bisi é um prato típico da região de Veneto na Itália, seu nome significa arroz e ervilha. Muito saboroso e de fácil preparo, tem lá suas sutilezas na escolha dos ingredientes, optei por fazer versão risoto, uma das minhas refeições favoritas!

Risi e bisi

- 1 xícara de arroz carnaroli
- 750ml de caldo de legumes - aproximadamente
- 1 e 1/2 xícaras de ervilha congelada
- sal e pimenta do reino moída na hora
- 2 colheres (sopa) de azeite de oliva
- 1/2 xícara de vinho branco
- 1/2 colher (sopa) de manteiga
- queijo parmesão ralado na hora e lascas para guarnecer
- bacon a gosto
- alhos inteiros, opcional
Preparo:
Corte o bacon em cubos bem pequenos. Distribua-os num prato sobre uma folha de papel absorvente e cubra com outra folha. Leve ao microondas por 30 segundos, verifique e se preciso repita o processo até que os pedaços estejam sequinhos e crocantes, reserve.
Aqueça o caldo de legumes em uma panela, mantenha-o assim.
Em outra panela, aqueça o azeite, doure ligeiramente os dentes inteiros de alho (se for usar, eu adoro), coloque o arroz e misture bem para que todos os grãos fiquem envoltos de azeite. Junte o vinho branco, mexa e aguarde evaporar.
Coloque uma concha do caldo e mexa todo o tempo, assim que começar a secar, adicione mais caldo, repita o processo até que os grãos estejam cozidos, mas al dente, ou seja, ainda firmes. No meio desse processo acrescente as ervilhas, tempere com sal e pimenta do reino a gosto.
Quando o arroz estiver no ponto, desligue o fogo, junte a manteiga e um pouco de parmesão ralado, misture ligeiramente, tampe a panela e espere 5 minutos para servir.
Finalize o prato com os cubinhos de bacon, lascas de parmesão e um fio de azeite.


Excelente semana a todos!!

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Muffins de Chocolate Duplo


Fiz um bolo ontem, véspera de feriado...foi para o lixo! ;(
Não sem muita tristeza, claro, afinal, é desperdício, não intencional, mas é! Não tinha como aproveitar, uma pena...acontece.
Hoje é outro dia e escolhi fazer muffins chocolatudos e intensos, ficaram ótimos!
Ligeiramente adaptados do Culinátia de Todas as Cores - 200 Receitas Incríveis de Bolos e Biscoitos (Sara Lewis) 

Muffins de chocolate duplo

- 275g de farinha de trigo
- 25g de cacau em pó, usei 100%
- 3 colheres (chá) de fermento em pó
- 150g de açúcar, usei 120g
- 75g de manteiga derretida
- 3 ovos batidos
- 150ml de leite
- 1 colher (chá) de essência de baunilha
- 200g de chocolate branco picado, usei 170g de chocolate meio amargo
- 100g de chocolate ao leite derretido, usei 50g de meio amargo

Preparo:
Peneire a farinha, o fermento e o cacau em uma tigela. Adicione o açúcar.
Misture a manteiga derretida, os ovos, o leite e a baunilha e junte à mistura seca.
Bata ligeiramente com um garfo ou fouet até ficar quase uniforme. Acrescente o chocolate meio amargo picado (as 200 ou 170g) e misture. 
Distribua a massa em forminhas de papel encaixadas nos espaços de um tabuleiro próprio de muffin.
Asse em forno preaquecido a 200ºC por 18-20 minutos, até crescer bem.
Deixe esfriar na forma por 5 minutos, retire e coloque sobre uma grade para que esfriem totalmente.
Derreta o restante do chocolate em banho-maria ou no microondas e respingue-o sobre os muffins em linhas aleatórias.

Rend. 12 unidades.


Dias abençoados de esperança e paz!

terça-feira, 22 de maio de 2018

Pão de Fermentação Natural da Mari Hirata

Assim que comecei a me interessar pela fermentação natural, tentei absorver o máximo de informação possível, entre livros, blogs, vídeos e afins, me deparei com o nome Mari Hirata.
Chef, consultora de gastronomia conhecida internacionalmente e guia de viagens ao Japão (onde vive com a família), também faz viagens com seus alunos de gastronomia pelo mundo. É ainda autora de um livro que acabei adquirindo, Mari Hirata Sensei. Ela relata um pouco de sua experiência com pães de fermentação natural, ensina como iniciar um fermento e produz pães praticamente sem sova.
Eu estava tendo dificuldade com a sova dos pães e resolvi testar a receita da Mari, preparei-a duas vezes e achei o resultado muito bom!

Pão de campanha da Mari Hirata

- 700g de farinha de trigo branca
- 100g de centeio
- 300g de fermento natural ou levain refrescado
- 1 colher (sopa) de extrato de malte ou glucose de milho (tipo karo)
- 15g de sal

Preparo:
Em uma vasilha grande, misturar o fermento e a água, em seguida adicionar a farinha, o centeio e o malte (ou glucose). Misturar tudo até obter uma massa pegajosa, não seca.
Não é preciso sovar. Não colocar o sal nesse momento, ele tende a dificultar a absorção da água pela farinha, inibindo o desenvolvimento da elasticidade do glúten.
Cubra com pano úmido e deixe descansar 15-30 minutos.
Acrescente o sal e sove rapidamente até perceber que os cristais do sal se dissolveram.
Acomode a massa em uma vasilha, cubra com filme plástico e deixe crescer. No verão, a massa duplica de volume em 6h, no inverno em 8-10h.
Depois desse tempo, coloque-a sobre superfície enfarinhada, puxe a massa pelas laterais para o centro, formando uma bola bem tensionada.
Em uma panela de fundo grosso, forrada com papel antiaderente ou papel manteiga untado levemente com manteiga, coloque a massa dentro e aguarde por no mínimo 1h para a segunda fermentação.
A massa deve dobrar  de volume novamente. Polvilhe um pouco de farinha sobre a massa, faça um corte em cruz na superfície do pão com uma faca muito afiada, um estilete ou tesoura.
Asse em forno preaquecido a 230ºC por 45 minutos, com tampa bem fechada.
O vapor acumulado possibilita a formação de crosta. Retire a tampa e asse por mais 15 minutos ou até atingir coloração dourada.

Agora que tenho um pouco mais de intimidade com o fermento, preciso repetir essa receita, certamente terei um resultado ainda melhor e mais semelhante ao da Mari.

Dica: A fermentação pode ser atrasada se a massa for colocada na geladeira por algumas horas. O pão continuará a crescer, porém num ritmo mais lento. Depois é só moldar numa bola, colocar na panela e deixar crescer novamente até o momento de assar.

Excelente semana a todos!


terça-feira, 15 de maio de 2018

Biscoito Amanteigado de Chocolate

Estamos em meados de maio e só agora o outono resolveu se manifestar, não que eu me queixe, afinal gosto mesmo é da primavera e do verão, mas o outono tem seu charme, manhãs e noites mais frias pedem uma xícara de chá ou um cafezinho para aquecer o corpo, se tivermos um biscoitinho gostoso para acompanhar, melhor ainda!
Esse é muito simples, semelhante a uma pâte sablée ou sucreé, sem adição de ovos. Resulta num biscoito amanteigado que derrete na boca, escolhi a opção de chocolate porque quando os preparei estava próximo da Páscoa.

Biscoito amanteigado de chocolate
(ligeiramente adaptado daqui)

- 200g de manteiga, usei160g 
- 3/4 xícara de açúcar de confeiteiro
- 2 xícara de farinha de trigo
- 1/3 xícara de cacau em pó
- 1 e 1/2 colher (chá) de sal, usei 1 colher
- açúcar cristal para decorar, usei granulado
- chocolate picado, opcional, não usei

Preparo:
No processador coloque a manteiga, o açúcar de confeiteiro e o sal. Pulse até ficar homogêneo.
Adicione a farinha, o cacau em pó e pulse até combinar. Forme um cilindro com a massa, envolva em filme plástico e leve ao congelador por 30 minutos.
Preaqueça o forno a 180ºC. Retire o papel filme da massa e corte os biscoitos na espessura de 1-2cm.
Passe-os no açúcar granulado, transfira os biscoitos para uma assadeira e leve ao forno por 15-18 minutos ou até que estejam ligeiramente dourados nas bordas.
Aguarde 5 minutos para retirar da forma. Deixe esfriar sobre uma grade.

Excelente semana a todos!!

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Fermentação Natural - Pão Branco de Massa Azeda


Nessa fase meus pães de fermentação natural, além de comíveis, começaram a ficar mais apresentáveis. A penúltima foto revela o primeiro salto de forno que tive, o que indica aumento do potencial do meu fermento, maior produção de vapor e consequentemente que eu estava começando a acertar em algumas coisas. Se observarem bem, verão uma casca crocante, mas excessivamente dura, eu tinha dificuldade até em cortar o pão e o miolo (última foto) mostra que consegui introduzir ar na massa, porém de forma desigual e a textura ainda um pouco "borrachuda".
Não posso dizer que cometemos erros, é falta de familiaridade com o processo, o procedimento pode até estar certo, mas não sabemos avaliar se o objetivo foi alcançado. Com o tempo isso melhora, é possível ver esse progresso no pão da foto inicial do post, a casca menos dura, um corte melhor e o miolo mais homogêneo e macio.
Você verá no decorrer das postagens, que as receitas e os padeiros apresentam modos de preparo diferentes, como boa aprendiz, tenho experimentado todos que encontro, até eleger aquele com o qual melhor me adapto e consigo melhores resultados.
O pão de hoje não tem sova, apenas o que chamamos de "dobras".
A receita é do Emmanuel Hadjiandreou e está no livro Pães, um dos meus preferidos. 

Pão branco de massa azeda

- 250g de farinha de trigo branca
- 150ml de água morna
- 75g de isca de massa azeda (nosso fermento natural)
- 4g de sal ou 3/4 colher (chá)

Preparo:
Misture a farinha e o sal em uma tigela média, reserve.
Desmanche o fermento natural na água ou até ficar homogêneo. Adicione a mistura seca à líquida, misture inicialmente com uma colher de pau, depois com as mãos até dar liga e obter uma massa.
Cubra e deixe descansar por 10 minutos. Mantenha a massa na tigela, puxe uma porção da lateral e pressione contra o meio da massa. Gire um pouco a tigela e repita o processo com outra porção de massa. Repita mais 8 vezes. Esse processo é conhecido por "dobras' e assim o chamarei daqui por diante.
Cubra novamente e deixe descansar por 10 minutos. Repita esses passos de dobrar a massa por mais três vezes, com intervalos de 10 minutos entre uma e outra. Cubra a tigela e deixe crescer por 1 hora.
Coloque a massa numa superfície enfarinhada, forme uma bola lisa e ligeiramente achatada.
Forre uma cesta de crescimento ou um escorredor de macarrão (os furinhos deixam a massa respirar), com um pano de prato limpo, polvilhe bastante farinha e coloque a massa dentro.
Polvilhe a massa com farinha. deixe crescer até dobrar de tamanho, de 3 a 6 horas, dias frios o tempo é ainda maior.
Preaqueça o forno a 250ºC por 20 minutos. Coloque uma assadeira na parte inferior para aquecer junto.
Quando a massa dobrar de tamanho, passe-a para a assadeira onde irá assá-la, faça incisões ou corte na superfície da massa, formando um desenho.
Leve o pão ao forno. Despeje água na assadeira quente que foi previamente deixada no forno e diminua a temperatura para 240ºC. Asse por 30 minutos ou até dourar bem.
Para saber se o pão está assado, vire-o e bata no fundo, deve soar oco.
Deixe sobre uma grade para esfriar.

Casca menos dura, salto no forno e abertura da massa mais proporcional.

Miolo mais homogêneo e macio.
Primeiro grande salto no forno, mas casca ainda muito dura.

Modelagem inadequada e miolo ainda borrachudo.

Excelente final de semana a todos!!


terça-feira, 8 de maio de 2018

Moqueca Caribenha do Claude Troisgros

Finalmente estou postando essa receita, uma opção deliciosa que preparei para a ceia do Natal em atenção àqueles que não apreciam carne vermelha. Foi um sucesso, muitíssimo elogiado por todos.
Essa é mais uma admirável sugestão do Chef Claude Troisgros e aproveitando a proximidade do dia das mães, uma excelente oportunidade para você cozinhar para ela. Se minha mãe ainda estivesse conosco, certamente iria amar o agrado.

Moqueca Caribenha do Claude
(adaptado daqui)

Para o azeite de especiarias:
-250ml de azeite extra virgem
- 2 colheres de cebola picada
- 1 colher de páprica
- 1 colher de curry
- 1/2 colher de canela em pó
- salsa ou coentro picados
- sal, açúcar

Para a marinada:
- 800g de filé de cherne em cubos grandes, usei robalo, por aqui não encontramos cherne
- suco de 1/2 limão
- sal

Para a moqueca:
- azeite de especiarias
- 1 cebola fatiada em meias luas
- 1 dente de alho
- 2 colheres de pimentão verde em cubinhos
- 2 colheres de pimentão vermelho em cubinhos
- 1 tomate fatiado
- 250ml de leite de coco
- 1 banana em rodelas
- 1 rodela de abacaxi em cubos, usei 2
- 2 colheres de azeite de especiarias
- salsa ou coentro picados
- sal

Preparo:
Azeite de especiarias - Sue a cebola e o alho no azeite, desligue o fogo e junte as especiarias e a salsa.
Tempere com sal e açúcar.
Marinada - Tempere o peixe com sal e o suco de limão. Junte o azeite de especiarias e deixe marinando.
Moqueca 
Numa panela de barro (usei convencional), puxar a cebola, o alho e os pimentões.
Acrescente os tomates e a salsa. Tempere com sal, junte o peixe com a marinada e tampe.
Deixe cozinhar por 10 minutos, cubra com leite de coco, junte as bananas e o abacaxi. Cozinhe mais 5 minutos tampado.
Verifique os temperos. Sirva na panela acompanhado de arroz branco.


Excelente semana a todos!!

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Meu Primeiro Pão de Fermentação Natural e um textão!


O primeiro pão ("que deu certo") de fermentação natural a gente nunca esquece, embora eu já tenha aprimorado o modo de preparo e meus pães estejam com aspecto e sabor bem melhor que esse da foto, tenho que honrar a receita que rendeu a primeira sensação boa de que poderia dar certo.
Inicialmente vou contar para vocês um pouquinho dessa história. 
Em janeiro desse ano ganhei uma isca de fermento natural ou levain como gosto de chamá-lo que é a denominação em francês. Essa etapa inicial não é complexa, precisa de paciência e um pouco de cuidado e observação, mas me vi livre dela ao receber uma muda pronta para ser usada.
Palavras como alimentar ou refrescar o levain, começaram a fazer parte da minha rotina de aprendiz de padeira e fiz meu primeiro teste com o fermento, foi um fiasco, assim também com outras três tentativas posteriores. ;(
Afinal, porque não estava dando certo? Faço pão a tanto tempo com bons resultados, que cheguei a pensar que essa fermentação natural não era pra mim. Comecei a estudar o assunto, participar de grupos especifícos no FB, acompanhar vídeos, enfim, respirei levain por alguns dias, talvez semanas.
Essa receita que apresento hoje é fruto de um dos inúmeros vídeos que assisti, com um passo a passo mais simplicado, sem sova, sem atingir ponto de véu, sem muita preocupação com modelagem, foi como consegui meu primeiro pão apresentável e principalmente, comível.
Nesse dia reascendeu uma fagulha de esperança e ânimo...acho que consigo! 
Contando assim, pode parecer um bicho de sete cabeças, mas não é e nem é meu intuito assustar ninguém, muito pelo contrário, meu objetivo é compartilhar minha experiência e dizer que vale a pena. Fazer pão em casa, seja qual for o tipo de pão, já é uma bênção, conquistar algo que remete aos primordios da civilização, como preparar um pão apenas com farinha, água e sal, é maravilhoso!
Vem comigo, entre nesse mundo incrível e totalmente viciante da panificação natural!
Se você quer se aventurar e começar do zero, deixo alguns links com passo a passo detalhado de como iniciar seu próprio fermento ou encontre alguém para te doar uma isca, afinal, pão é partilha.
Caso você já faça pães de fermentação natural com facilidade, fique à vontade para comentar suas experiências e dicas, ainda tenho muito que aprender, estou apenas iniciando e cheia de curiosidade.

Do que aprendi até agora:
Para começar, algumas coisas são fundamentais, ter uma balança culinária digital é uma delas, sem isso é praticamente impossível fazer um pão razoável e muito menos manter seu fermento ativo e forte.
Um cesto próprio de fermentação também é um ótimo aliado, além de modelar, dando uma aparência bonita aos pães, ele retira o excesso de umidade da massa. Uso um de ratã, agora produzido no Brasil.
Outro fator importante para se conseguir um pão bonito, de casca crocante, miolo macio e principalmente que dê "aquele" salto de crescimento no forno, é o vapor, sem ele seu pão não irá alcançar algumas das características típicas desses pães.
Uma panela de ferro com tampa bem vedada que possa ir ao forno é o ideal, mas obtive ótimos resultados com uma panela Vision, aquela antiga de vidro. Outro recurso é produzir vapor utilizando uma forma com água na base do forno ou mesmo sacos de assar carnes com presilha para vedar, resolvem essa questão.
Para fazer cortes na superfície do pão, é preciso uma lâmina, um estilete ou algo que seja bem afiado, normalmente faca não funciona. O corte facilita o crescimento no forno e dá ao pão um desenho diferenciado.
Claro que nenhuma dessas coisas é imprescindível, são itens para facilitar o trabalho, é perfeitamente possivel fazer um lindo e delicioso pão sem esses apetrechos; com excessão da balança, todos podem ser substituídos de alguma forma. ;)
Sem falar que nem todos gostam das características citadas acima e prefiram um pão tradicional, inteiramente macio e que usa fermentação natural. É perfeitamente possível e igualmente saboroso.

Para finalizar deixo o link do vídeo que usei para fazer o pão da foto, meu primeiro pão que deu "certo".
O autor, Trevor Wilson tem inúmeros vídeos preparando seus pães.
Sugiro que assistam a esse e se o interesse for grande, busquem outros, tem ótimos nacionais também.
Assim, nas próximas postagens sobre fermentação natural onde postarei receitas, vocês estarão mais íntimos com o modo de preparo, que é muito similar entre eles, mas divergem bastante do preparo convencional usando fermento biológico.

Links sugeridos para quem quiser começar seu fermento natural do zero:

Um excelente final de semana a todos!